Drogas/Vício - Drogas que facilitam estupros
Esta página já teve 110.870.362 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.766 acessos diários
home | entre em contato
 

Drogas/Vício

Drogas que facilitam estupros

27/11/2003
Drogas Psicotrópicas - uso criminoso: Drogas que facilitam estupros.
Nota: Drug-facilitated date rape.
Journal de l'Association Médicale Canadienne
165: 80-80, 2001.

Esta nota no item Saúde Pública da revista científica canadense JAMC comenta sobre o papel de determinada droga nos casos de estupro no Canadá.

São drogas que causam sedação e amnésia, de tal maneira que as vítimas não conseguem resistir ou mesmo podem não estar conscientes de que estão sendo atacadas, e também não conseguem depois se lembrar exatamente o que aconteceu.

O Centro Canadense de Violência Sexual já assistiu 1400 mulheres vítimas de estupro. Destas, 25% relataram que as drogas foram o fator decisivo para o estupro, sendo comum a administração subreptícia de flunitrazepam (Rohypnol ® ) ou de GHB.

Mas outras drogas também estão envolvidas, dado que “qualquer substância que é administrada para diminuir ou abolir a inibição sexual ou aumentar a possibilidade de uma relação sexual não desejada é potencialmente uma droga de estupro”.

O trabalho relata ainda que em 2003 amostras de urina, analisadas até 72 horas após os casos de estupros suspeitos de terem sido cometidos sob ação de drogas, o GHB foi detectado em 3% das amostras, o flunitrazepam em menos de 1%, o álcool em 69%, a maconha em 18% e a cocaína em 5%. A nota ainda aconselha como prevenir tais casos: em caso de bebida alcoólica, a ingestão deve ser bem lenta; preparar os próprios drinques e trocá-los quando foram deixados sem vigilância (por exemplo, ao dançar ou ir ao banheiro).

CEBRID


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos