-
Esta página já teve 131.512.098 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 24.790 acessos diários
home | entre em contato
 

Pediatria/Criança

Enurese noturna em crianças

30/11/2003
Problema pode gerar perda de auto-estima das crianças

Foi inaugurado, dia 10 de outubro de 2003 o Centro de Referência para Tratamento da Enurese Noturna (xixi na cama), dentro do Serviço de Urologia Pediátrica do Departamento de Pediatria e Puericultura da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. O novo centro será voltado para o atendimento de crianças e adolescentes que urinam na cama durante o período noturno, uma doença, ainda pouco divulgada e causada, na maioria das vezes, pela falta de um hormônio chamado desmoprecina. (veja, anexo, mais informações sobre a doença).

No Brasil existem mais de três milhões de pacientes acometidos por essa doença e os médicos do Serviço de Urologia da Santa Casa irão iniciar o trabalho cadastrando 270 crianças, que já são atendidas na Irmandade, buscando, além de solucionar o problema dos pacientes, atingir mais quatro objetivos: clínica de atendimento, produção de material científico, divulgação para terceiros e treinamento de profissionais da área médica.

Para ser atendida, a criança deve passar por triagem no Pronto Socorro Infantil e ser encaminhada ao Centro de Referência para Tratamento da Enurese Noturna. O endereço é: Rua Dr. Cesário Mota Jr., 112 – Santa Cecília – SP.

Pacientes particulares e de planos de saúde deverão marcar consulta no Hospital Santa Isabel - Tel.: 3226.7793 ( Verificar os planos atendidos ).

DOENÇA

Até há pouco tempo, urinar na cama era um problema psicológico. Hoje, pesquisas internacionais comprovam que o ato, na maioria das vezes é causado pela falta de um hormônio chamado desmoprecina. Com a reposição desse elemento a doença é curada. O componente psicológico, entretanto, é considerado de importância já que o indivíduo que urina na cama (enurético), principalmente crianças e adolescentes, ficam sujeitos a críticas e são molestados por familiares, o que acaba por interferir em sua auto-estima e outros fenômenos agravantes. As atividades sociais da criança e do adolescente também são afetadas, como, dormir na casa de um amiguinho ou acampar, fazer uma viagem mais longa de avião, etc.

A palavra Enurese, de origem grega "enourein", significa fazer urina ou urinar. É definida como a perda involuntária de urina na idade em que a criança já deveria ter obtido o controle. Na maioria dos casos ocorre durante o sono, à noite sendo denominada "Enurese Noturna". Raramente acontece durante o dia. Quando isto ocorre necessita de uma investigação mais profunda para afastar outras alterações do sistema urinário.

Ao redor dos dois a três anos de idade durante o dia, a criança consegue sentir a bexiga cheia e pede para urinar ficando livre da fralda. Depois dos cinco anos de idade, à noite, durante o sono, não deve mais urinar na cama. Se isto acontecer, mostra o sintoma de "Enurese Noturna".

Hoje, 15% das crianças acima de cinco anos têm o problema. É mais comum em meninos, na proporção de 3:2. Mais do que 80% das crianças enuréticas apresentam o sintoma somente à noite.

DIAGNÓSTICO

A avaliação é multidisciplinar, sendo realizada por um neurologista pediátrico e urologista pediátrico. Será analisada a história clinica, hábito miccional, intestinal, contexto familiar e psicossocial. Os exames físicos, genital e neurológico, são fundamentais, e quando necessário é recomendada a realização de exames complementares.

Após a avaliação, uma troca de idéias entre os dois especialistas é recomendada para discussão e planejamento da conduta a ser seguida. Por aparecer na faixa etária de formação da personalidade da criança, causa na maioria dos pacientes perda da auto-estima com conseqüentes danos psicológicos futuros.

Os escandinavos estudaram através de testes psicológicos para medir a auto-estima, crianças enuréticas, crianças internadas em hospitais por doenças crônicas e crianças normais. Concluíram que as crianças enuréticas apresentam índices de baixa auto-estima mais acentuados quando comparadas com crianças que tinham doenças crônicas.

Nova avaliação realizada nas crianças enuréticas após o tratamento e desaparecimento do sintoma revelou índices iguais às crianças do grupo normal (controle).

TRATAMENTO

Até os cinco anos de idade, um tratamento deve ser baseado em medidas de orientação e motivação e não é indicado nenhum medicamento.

Após essa idade, a enurese pode levar a uma redução da autonomia social da criança, com prejuízo de sua confiança e auto-estima, justificando-se assim a instituição de tratamento.

Não existe para a enurese um tratamento único e com resultado de cura em 100% dos casos. Existem terapias com resultados que variam de 60% a 80% de cura, ao longo do tratamento, e cada uma indicada para cada caso especifico.

Aplicam-se as terapias de independência, motivacional, de condicionamento, medicamentos e terapia psicológica, cada uma indicada para um caso especifico, depois de uma avaliação multidisciplinar.

http://www.santacasasp.org.br/


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos