Urologia/Andrologia/Homem - Prostatite
Esta página já teve 114.664.233 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.777 acessos diários
home | entre em contato
 

Urologia/Andrologia/Homem

Prostatite

05/12/2003

 

Chamamos Prostatite a uma infeção ou inflamação da glândula próstata. É o diagnóstico urológico mais comum em homens abaixo de 50 anos e resulta em 2 milhões de visitas ao médico por ano. Se caracteriza por problemas relacionados com evacuação e dor no fundo da pélvis, no períneo da virilha, nos testículos, no pênis e/ou nas costas. Disfunção sexual, ejaculação precoce e aflição psicológica são comuns.

O diagnóstico é baseado em precedentes clínicos do paciente, num exame retal da próstata e em análises de cultivos de urina e secreções prostáticas.

O NIH (National Institute of Health – Instituto Nacional de Saúde) desenvolveu uma nova classificação para a Prostatite que é baseada na avaliação de amostras de urina tomadas antes e depois de massagem.

Categoria I – Prostatis Bacteriana Aguda: é uma infeção aguda da próstata com significante sintomas sistemáticos causados por uma bactéria identificável.

            Tratamento: Facilmente tratada com o uso de antibióticos.

Categoria II: Prostatis Bacteriana Crônica: Infecções recorrentes da próstata com cultivos positivos após massagem e com Leucositosis.

             Tratamento: Tratamento de larga duração, 8-12 semanas, com uso de antibióticos.

Categoria III: Síndroma de Dor no Pélvico Crônica: A) Inflamatória: não há infecção mas amostra posterior à massagem mostra presença de leucócitos. B) Não-Inflamatória: Não se pode demonstrar presença de infecção, inflamação ou leucócitos em amostra posterior à massagem.

            Tratamento: A) Inflamatória: Deveria ser incremental: antibióticos de 8 a 12 semanas e massagem prostática duas vezes por semana.

Considerar:

Cistitis Intersticial

Massagem prostática

Alta doses de alfa-bloqueadores.

Avaliação auxiliar incluindo: anti-inflamatórios, urodinámica, cistoscopia e finasteridade.

Biópsia de bexiga.

Relaxante muscular.

Biofeedback

      +

            Mudanças no estilo de vida

            Psicanálise

            Consultas

            Relaxação

                       

                                    B) Não Inflmatória: Considerar:

Cistitis Intersticial

Potente Analgesia

Alta dose de Bloqueo Alfa

Relaxante muscular

Biofeedback

Avaliação auxiliar incluindo: anti-depresivos tricíclicos, Urodinámica, e biopsia da bexiga e cisto.

+

Mudança concomitante de estilo de vida

Terapia de apoio

Microondas Transuretal

Termoterapia (TUMT)

Fitoterapia

Categoria IV: Prostatite Inflamatória Asintomática: O paciente não tem sintomas mas inflamação é detectada na amostra da biopsia.

            Tratamento: 2-3 semana de antibióticos se PSA estiver elevado e cistoscópia se gravidez está sendo planejada.

Fitoterapia (Extratos vegetais):

Muitos produtos desta categoria, assim como muitas combinações dos mesmos, são amplamente comercializados. Existe alguma evidência de que pelo menos algumas destas substâncias são beneficiárias para pacientes com Prostatite, incluindo o Saw Palmetto e Pigeum Africanum. Não existe evidência de que os preparos compostos de múltiplos ingredientes são melhores. É aconselhável obter esses produtos em companhias confiáveis que possam garantir um conteúdo e dosagem exatos.

Massagem Prostática:  Esta técnica é um importante elemento na maioria dos programas de tratamento. Ajuda a aliviar a congestão dos ductos prostáticos e, se crê, facilita que os antibióticos sejam absorvidos pelo tecido prostático. Também ajuda a drenagem das secreções prostáticas.

Terapia de Apoio: Controle sobre estresse e problemas psicológicos concomitantes - tais como depressão e ansiedade, exercícios de relaxamento, mudança de estilo de vida,  capacidade de lutar contra os problemas, todos são elementos importantes de quase todos programas de tratamentos em particular daqueles relacionados com condições crônicas tais como II e III. 

Dieta: A maioria dos pacientes podem identificar elementos irritantes em sua dieta diária. Os mais comuns são cafeína, temperos, tabaco, álcool, tanino e cítricos. Porém, reação a esses irritantes varia de pessoa para pessoa. Os pacientes são aconselhados a deixar de lado álcool, cafeína e tabaco. Uma dieta saudável, bem balanceada, baixa em gordura e rica em vegetais e frutas é recomendável.

Cirurgia: A cirurgia tem pouco a haver com o tratamento da próstata. Querendo o paciente com abscessos prostático pode requerer drenagem. Se uma obstrução dos ductos de ejaculação for diagnosticada, uma recessão transuretal poderá resolver o problema.

Se a recorrência da prostitis do tipo II for um problema e calcificações na parte central da glândula forem existentes, se pode recorrer a uma recessão transuretal e evacuação destes cálculos.

Total remoção da próstata só deverá ser feita em último caso, somente depois de ser ter tentado exaustivamente todos os tipos de terapias existentes - incluindo TUMT, administração de dor – e de se ter descartado toda e qualquer hipótese de outras doenças (tais como P.C.). Mesmo assim, uma remoção total da próstata pode não resolver completamente a sintomatologia, principalmente dor.

www.urologyhealthcenter.com


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos