Meio Ambiente/Ecologia - A prática do fogo nos campos e florestas
Esta página já teve 115.797.612 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Meio Ambiente/Ecologia

A prática do fogo nos campos e florestas

12/12/2003

 

 

 


A prática do fogo nos campos e florestas

Um dos maiores destruidores da biodiversidade é o fogo colocado nos campos e florestas em diversas regiões do Brasil. A prática do uso do fogo, provoca prejuízos ambientais como também prejuízos econômicos e sociais. Na região Norte, a prática é incorporada ao dia a dia dos proprietários de terra, que desconhecem ou ignoram as perdas causadas pelo uso do fogo. Quando nos deparamos com uma área desmatada, toda queimada, com animais em fuga, migrando para outras áreas, com centenas de metros cúbicos de madeira perdida e com toda a cobertura vegetal perdida, tomamos consciência da real perda.

O incêndio florestal, na descrição técnica,  é a presença de fogo (sem controle) capaz de provocar prejuízos a vegetação, podendo ser provocado pelo homem ou por causa natural.

Existem três tipos de incêndios florestais. O subterrâneo se propaga através das camadas de húmus que existem abaixo do piso, ocorre em florestas com acumulo de húmus. Existe o incêndio superficial, onde o fogo se propaga de forma lenta, com pouca fumaça e sem chamas, e normalmente causa morte de raízes, o que gera conseqüente perda das arvores. 

O incêndio do tipo superficial rasteiro queima as folhas e galhos, gramíneas e arbustos com até 2 metros de altura, sua propagação é muito rápida, com muitas chamas e gera muito calor.O terceiro tipo é o incêndio de copa ou aéreo, origina-se do incêndio superficial e propaga-se de forma rápida através das copas das arvores, e é difícil de controlar pois sua velocidade pode chegar a 10 quilômetros por hora.

O hábito do agricultor na zona rural de colocar o fogo a fim de limpar o terreno para o plantio, é uma das causas mais comuns de incêndios pois o fogo foge do controle e se alastra pelo terreno. A baixa umidade relativa do ar e o lançamento de pontas de cigarros acesos  jogados em áreas secas são também causas freqüentes de incêndios nas matas e florestas. Como causa natural podemos citar materiais lenhosos, objetos que causam reflexão da luz solar como, vidros, latas e ferramentas, que podem causar combustão espontânea e provocar incêndios. Outras causas comuns são os lançamentos de balões de festas juninas e as fogueiras nos acampamentos.

Épocas secas são períodos do ano quando ocorrem incêndios com grande dificuldade de controle. Nas matas, em terrenos inclinados, as chamas muito altas e os obstáculos dificultam o combate ao fogo.

Como vemos, o fogo é um problema que pode chegar a qualquer hora, sob várias formas. A melhor forma de controle é a prevenção e sabendo-se que existem épocas do ano com maior probabilidade da ocorrência de incêndios, deve-se adotar medidas preventivas. Uma das mais eficazes é a educação ambiental, objetivando a sensibilização e a conscientização das populações, a eliminação das fontes de propagação do fogo e a aplicação da legislação específica. 

Outra forma de controle pode ser desenvolvida através das brigadas de incêndio. Criadas em diversos locais, elas  formam uma frente de combate e tem como objetivo, atenuar os impactos ambientais que o fogo traz, combatendo focos iniciais, reduzindo o tempo entre o inicio do incêndio e a chegada do corpo de bombeiros. As brigadas  têm realizado diversas palestras e debates para a consciência da importância das medidas preventivas.Algumas destas brigadas são organizações não governamentais, ONG’s, com estatutos, diretorias e com mandatos de dois a quatro anos. Normalmente a missão e as tarefas da brigada, inclui fiscalização, proteção as nascentes e promoção de mutirões de limpeza de lixo e plantio de mudas. Os Institutos Estaduais de Floresta tem realizado cursos para reciclar os voluntários que trabalham, com objetivo de agilizar as ações de prevenção e combate a incêndios florestais.

Fonte: Agrosuisse Ltda.
           
Revista Ecologia Integral – maio/junho de 2003. Artigo de Beth Reis, coordenadora do Projeto Pró-vida – projeto.vida@globo.com / incendioflorestal@ig.com.br

 
www.planetaorganico.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~