Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação - Doença arterial periférica (DAP)
Esta página já teve 115.260.872 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.727 acessos diários
home | entre em contato
 

Vascular/Cirurgia Vascular/Circulação

Doença arterial periférica (DAP)

06/06/2003

 

 

 

 

 

A Doença arterial periférica (DAP) se caracteriza pelo estreitamento das artérias que alimentam os braços e as pernas, devido ao acúmulo de placas de colesterol e gorduras, diminuindo o fluxo de sangue para os membros.

 

 


A doença arterial periférica (DAP) é uma doença que atinge cerca de 10% da população mundial acima de 50 anos, e pode trazer conseqüências graves, como enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral (derrame) e amputações de membros inferiores. Ela se caracteriza pelo estreitamento das artérias que alimentam os braços e as pernas, devido ao acúmulo de placas de colesterol e gorduras, diminuindo o fluxo de sangue para os membros.
A DAP é uma manifestação da aterotrombose, uma formação de trombo(coágulo) sobre a aterosclerose existente na parede das veias. A aterotrombose surge através de outras doenças que aparecem em várias regiões do corpo que podem gerar diferentes conseqüências. A DAP é uma delas. O principal sintoma dessa doença está na mudança da aparência dos membros inferiores. Normalmente, a perna fica mais pálida, brilhante, sempre mais fria do que o resto do corpo, além de não crescer mais cabelo no local afetado. Quando ocorre a obstrução nas artérias de uma perna, a quantidade de sangue que chega até o membro é menor e, conseqüentemente, causa a diminuição da temperatura no local.
Durante a fase inicial da doença, pode ocorrer a claudicação intermitente, isto é, dor nas pernas durante a caminhada, melhorando com repouso. Nos casos graves, a dor pode se manifestar em repouso. A DAP pode levar à gangrena e à amputação dos membros atingidos. O maior risco, porém, é sofrer derrame ou enfarte. O que a DAP pode gerar vai depender essencialmente do estágio da doença quando diagnosticada. Se já estiver desenvolvida é que a situação complica-se. As pessoas que fumam, têm colesterol alto, hipertensão, diabete, obesidade e sedentarismo são mais propícias a adquirir a DAP.
Para detectar a DAP basta fazer o exame de índice tornozelo-braço, método que mede a pressão arterial em ambos os braços e nos tornozelos com auxílio de um aparelho Doppler, semelhante a ultra-som. Após fazer exames mais detalhados, o paciente inicia o tratamento que pode ser desde mudança no estilo de vida a uma cirurgia vascular.



 gestaopessoal


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
kill yourself rogue.