Endocrinologia/Glândulas - Quando se utiliza o Hormônio de Crescimento ?
Esta página já teve 115.742.073 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.703 acessos diários
home | entre em contato
 

Endocrinologia/Glândulas

Quando se utiliza o Hormônio de Crescimento ?

22/02/2004

 

Até 1988, o hormônio de crescimento humano (hGH) existia em suprimentos muito restritos. Foi portanto apenas utilizado para tratar crianças que apresentavam grave problema de crescimento devido à secreção de hGH própria inexistente ou muito baixa. Atualmente, devido à tecnologia recombinante, o hGH está disponível em quantidades que permitem tratamento de uma ampla gama de afeções, tanto em crianças como adultos, por. ex.

Indicações em Crianças

Falta de GH (deficiência/insuficiência de GH)
Síndrome de Turner
Doenças Renais Crônicas

Indicações em Adultos

Falta de GH (deficiência/insuficiência de GH)

Falta de GH (deficiência/insuficiência de GH)

Se você produz muito pouco GH poderá ter um diagnóstico de insuficiência de GH, ou se não houver nenhuma produção do hormônio, poderá ter um diagnóstico de deficiência de GH. Estes dois termos são freqüentemente empregados de forma intercambiável ou algumas vezes usa-se o termo inadequação de GH. Estes termos são freqüentemente abreviados para GHD ou GHI. As crianças que não possuem GH não crescem no mesmo ritmo que as outras crianças e são geralmente menores que outras da mesma idade.

Pode ocorrer GHD/GHI algumas vezes, devido a alguns tratamentos médicos essenciais do passado, tais como radioterapia ou cirurgia cerebral ou devido à uma condição preexistente tal como um tumor cerebral ou Síndrome de Silver Russell. Algumas vezes a GHD ou GHI pode ser o resultado de um defeito hereditário, entretanto, para a maioria dos pacientes, a razão para a falta de hGH é desconhecida.

O tratamento com hGH somente é usado para substituir o GH que o seu organismo não está produzindo. Deve-se lembrar que cada indivíduo é diferente e somente seu médico irá prescrever a dose correta. É muito importante iniciar o tratamento em uma idade precoce, pois isto poderá fazer uma grande diferença em sua altura definitiva. Entretanto, se seu diagnóstico não foi feito e o tratamento não foi iniciado até uma idade maior, não é motivo para preocupação, pois existe a possibilidade de que a sua altura fique muito próxima de sua faixa normal e a prescrição de seu tratamento auxiliará a reduzir esta diferença.

A tabela de crescimento abaixo mostra a diferença entre

Crescimento normal em uma criança sem GHD / GHI
Crescimento em uma criança com GHD, em que o tratamento foi iniciado aos 2/3 anos de idade
Crescimento em uma criança com GHD, em que o tratamento foi iniciado aproximadamente aos 8 anos de idade
Crescimento em uma criança com GHD não tratada

Tabelas de crescimento para uma criança sem GHD / GHI, mais tratamento em diferentes idades
(Nota: Este exemplo baseia-se em uma criança cujo pai tem 180 cm de altura e a mãe 165 cm)

Deve-se lembrar que, pelo fato de seu organismo não produzir a mesma quantidade de GH que outras crianças, isto não significa que haja alguma coisa diferente em você. Você pode ser menor que seus amigos e em seus anos de juventude poderá não desenvolver características sexuais no mesmo ritmo, porém com a ajuda de seu médico e enfermeira e rígida aderência com a terapia prescrita, você terá condições de minimizar estes efeitos.
Nota: Seu tratamento é muito importante. Siga sempre o aconselhamento de seu médico e enfermeira.

Síndrome de Turner

A Síndrome de Turner é uma condição que afeta apenas meninas, e é um distúrbio cromossômico.

Ninguém conhece a causa da Síndrome de Turner. A idade dos pais das meninas com Síndrome de Turner não parece ter qualquer importância e não foram identificados fatores hereditários. Não parece haver qualquer providência que os pais possam tomar para evitar que uma de suas filhas tenha Síndrome de Turner.

O diagnóstico pode ser feito em qualquer idade; cerca de 30% das crianças são diagnosticadas ao nascimento e outras 25,5% durante a período médio da infância. Para muitas meninas portadoras de Síndrome de Turner, entretanto, o diagnóstico pode não ser feito até os anos da adolescência.

O que significa ter a Síndrome de Turner?

Certamente, as meninas portadoras de Síndrome de Turner não são menos dotadas do que as outras. Entretanto, as meninas com esta síndrome podem apresentar o seguinte:

Altura

Uma estatura reduzida freqüentemente representa o maior obstáculo para uma menina com Síndrome de Turner. Ao nascimento, estas meninas geralmente têm um comprimento menor e pesam menos que as outras meninas. Durante os primeiros anos de suas vidas, elas crescem quase tão rápido quanto suas contemporâneas, porém, com o tempo, a diferença na altura se torna mais aparente. A diferença é particularmente notável quando as outras meninas estão entrando na puberdade e apresentando rápidos aumentos de estatura, o que não ocorre com as meninas com Turner. Geralmente as mulheres com Turner que não estão recebendo tratamento são, em média, 20 cm mais baixas que outras mulheres. Nos últimos anos, as meninas com Turner estão sendo tratadas com hormônio de crescimento e os resultados provisórios sugerem que a estatura final possa ser aumentada em 5 - 10 cm.

Desenvolvimento Puberal e Menstruação

Para a maioria das meninas com Turner, os ovários não se desenvolvem como deveriam. As meninas com Turner, antes do nascimento, possuem um número normal de folículos ovulares em seus ovários. Entretanto, estes folículos desaparecem rapidamente e as meninas com Turner geralmente não mais os possuem ao nascimento. O ritmo de desaparecimento varia para cada menina e até 20% das meninas com Turner ainda podem possuir óvulos em seus ovários no início da puberdade. Quando ocorre ausência dos folículos ovulares, também há uma ausência dos hormônios sexuais femininos, os quais são importantes para o desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários. Conseqüentemente, muitas meninas com Turner podem ter desenvolvimento incompleto das características sexuais secundárias. A maioria das meninas com Turner não menstrua e apenas podem ter filhos em raros casos.

Características Físicas

As meninas com Turner podem apresentar traços físicos que são característicos desta condição. Algumas meninas podem não apresentar nenhum, e outras podem ter alguns ou muitos destes traços.

Ao nascimento, entre um terço e metade das meninas com Turner apresentará inchaços com aspecto de um coxim no dorso das mãos e pés. Isto normalmente desaparece após um certo tempo, porém pode reaparecer durante a puberdade.
Algumas meninas com Turner podem ter um pálato estreito e elevado (em ogiva) e um maxilar inferior menor, o que pode levar à dificuldade na alimentação como um refluxo. Estas dificuldades geralmente podem ser resolvidas ou minimizadas através do aconselhamento de seu centro de tratamento. Problemas dentários ocasionalmente podem ocorrer numa época posterior.
As unhas freqüentemente se dobram em relação aos dedos e artelhos de um modo característico, e têm uma tendência a "enganchar" nas meias.
Muitas meninas com Turner apresentam um número maior que o habitual de manchas escuras , freqüentemente na face.
Outro aspecto mais raro da Síndrome de Turner é o pescoço com um septo lateral. Este é uma pequena dobra de pele de cada lado do pescoço dando a impressão que o pescoço é curto. O paciente pode, com a aprovação de seu médico, remover esta pequena dobra de pele com um cirurgião plástico que tenha particular experiência com Síndrome de Turner.

Problemas Físicos

As pesquisas têm mostrado que uma pequena porcentagem de meninas com Turner tem alguma forma de anormalidade cardíaca. A maioria destas anormalidades, felizmente, é relativamente insignificante, porém há algumas que requerem cirurgia. É importante que as meninas com Turner façam um exame de seu coração (através de mapeamento cardíaco especial) bem precocemente.
Podem também ocorrer problemas de ouvido em pacientes com Síndrome de Turner com uma tendência para freqüentes infeções de ouvido médio. Com o correr do tempo, algumas mulheres com Turner podem apresentar um comprometimento da audição.
As meninas com Turner também podem ter pequenas anormalidades renais, entretanto estas geralmente não afetam o funcionamento dos rins.

Problemas de alimentação na infância

Muitos pais de meninas com Turner enfrentam problemas de alimentação com suas filhas durante o primeiro ano de vida, tais como regurgitação e ocasionalmente vômitos. É importante notar que estes problemas freqüentemente desaparecem no segundo ano de vida.

Tratamento

As meninas com Turner são geralmente encaminhadas a um pediatra ou endocrinologista com experiência no tratamento de Síndrome de Turner. Como cada menina com Turner é diferente, o tratamento irá variar. O tratamento geralmente envolve a administração de hormônio de crescimento humano (hGH) isolado ou associado a baixas doses de estrógeno e ou um esteróide anabólico, por ex., oxandrolona, para melhorar a estatura final adulta. O médico e a enfermeira na clínica especializada terão as melhores condições para aconselhar o melhor esquema de tratamento e irão monitorar continuamente o progresso para assegurar que um crescimento e desenvolvimento ótimos estejam sendo obtidos.

Doenças renais crônicas

Os rins são responsáveis pela excreção de urina na concentração correta. Isto significa que um rim funcionando normalmente excretará a água em excesso e escórias, enquanto retém sais e outros compostos necessários ao organismo. As crianças com doença crônica do rim (renais) podem ser divididas em três grupos, dependendo da função renal que possuem:

Disfunção renal crônica - função renal menor que 50%
Insuficiência renal crônica - função renal menor que 25%
Doença renal em fase terminal - função renal menor que 5% (pacientes em diálise).

Cerca de 6 crianças em um milhão da população total sofrem de doença renal crônica. Aproximadamente um terço das crianças com doença renal crônica têm crescimento anormal, em parte devido ao fato de as doenças renais perturbarem o metabolismo do hormônio de crescimento (GH). Os hormônios corticosteróides que são freqüentemente utilizados para tratar a doença renal podem também retardar o crescimento.
A idade em que a doença renal se inicia tem mais impacto no retardo do crescimento do que a redução na função renal (i.é., quanto mais jovem a criança quando a doença começa, mais retardado será o seu crescimento). O tratamento com hormônio de crescimento humano (hGH) pode minimizar seu retardo de crescimento. No presente, o tratamento é geralmente interrompido se uma criança é submetida a transplante renal.

www.novonordisk.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos
 
Hacked by
#TeaMGh0sT

~ DB GOT DROPPED ~