Hipertensão/Pressão Alta - Pressão alta- Hipertensão arterial
Esta página já teve 116.651.804 acessos - desde 16 maio de 2003. Média de 27.675 acessos diários
home | entre em contato
 

Hipertensão/Pressão Alta

Pressão alta- Hipertensão arterial

24/02/2004


A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença multifatorial e muito comum, atingindo de 20 a 30% da população adulta. Geralmente não apresenta sintomas, mas pode acarretar complicações a órgãos vitais como o coração, rins, olhos e cérebro, quando não tratada adequadamente.

Na maioria das pessoas, a pressão alta deverá ser tratada e acompanhada por toda a vida, sendo o tratamento realizado com ou sem remédios. Praticar exercícios físicos todos os dias, reduzir o sal na comida, controlar o stress, não fumar, manter o peso e ingerir bebidas alcoólicas em pequenas quantidades, pode normalizar ou ajudar a controlar a pressão alta.É fundamental seguir o tratamento e as orientações corretamente, todos os dias por toda vida, para conseguir evitar ou reduzir o aparecimento de complicações como o derrame, infarto, funcionamento insuficiente dos rins e outras.

Como a pressão aumenta?

As artérias ficam "apertadas", dificultando a circulação do sangue. Tal como se você amarrasse um pano em volta de uma mangueira. Uma vez comprimida, o espaço interno diminui e a passagem de água (no caso das artérias o sangue) torna-se mais difícil. O líquido então, tem que fazer mais força nas paredes para chegar a seu destino. Resultado do "aperto" constante: a pressão sobe acima do normal e permanece alta.

O que se considera pressão acima do normal ?

Em adultos com mais de 18 anos, são considerados normais valores inferiores a 130/85mmHg. As pessoas que apresentam valores de 130-139/85-89mmHg estão no limite do normal e se beneficiarão com as medidas preventivas. Lembre-se que é preciso muito cuidado ao rotular uma pessoa como hipertensa devido aos riscos e custos que estão envolvidos. Existem situações especiais para se medir e interpretar corretamente a pressão arterial: em crianças, idosos, gestantes e obesos.

Quais fatores estao relacionados com a pressão alta?

  • Sal - tempero mais popular da culinária brasileira. As pessoas consomem, em média, 10 gramas de sal por dia, o equivalente a 4 colheres das de café cheias.Entretanto, nosso corpo somente necessita menos de uma colher de café, e esta quantidade existe normalmente nos próprios alimentos.O excesso de sal pode contribuir para piora da pressão alta, prejudicando o efeito dos remédios e tornando mais difícil o controle da hipertensão.Os médicos recomendam que as pessoas não devem exagerar no sal, independente de terem ou não problemas de pressão.Para restringir o consumo de sal, não coloque durante o preparo dos alimentos, com o uso do saleiro você consegue saber quanto de sal está ingerindo e evite comer comidas salgadas e enlatados.
     
  • Álcool - o grande perigo está no excesso. Além de tornar-se facilmente um vício, a bebida pode piorar uma gastrite, tem muitas calorias (e portanto, em nada ajuda quem quer perder peso) e pode aumentar perigosamente os efeitos dos remédios que baixam a pressão. Aconselha-se que os homens hipertensos consumam no máximo 30ml de etanol/dia, o que corresponde a 60ml de bebidas destiladas, como uisque, vodca, aguardente, 240ml de vinho ou 720ml de cerveja. No caso das mulheres e pessoas de baixo peso não se deve ultrapassar 15ml de etanol/dia. Mas o mais importante: bebidas alcoólicas em grande quantidade, todos os dias, prejudicam seriamente órgãos como o cérebro, fígado, pâncreas e o coração.
     
  • Obesidade - muitos estudos mostram que existe relação entre obesidade e a hipertensão arterial. À medida que a pessoa ganha peso, sua pressão arterial sobe, que o contrário tambem é verdadeiro. A associação da obesidade à hipertensão tem sido notável, principalmente em crianças e adultos jovens. Portanto, a redução de peso é muito importante para o controle da pressão alta.
     
  • Exercícios - pessoas que levam uma vida sedentária correm maior risco de ataque cardíaco do que aquelas que fazem algum tipo de exercício. Os exercícios devem ser seguidos com orientação médica, eles ajudam a baixar a pressão e melhoram a "força do coração". Exercícios estáticos, como levantamento de peso, devem ser evitados, porque provocam aumento repentino da pressão. Já os dinâmicos, como andar, correr, nadar, andar de bicicleta, são bons para saúde.Os exercícios devem ser sempre orientados por médicos. A tentativa de ficar em forma de uma hora para outra e praticar exercícios somente nos fins de semana obrigam o corpo a grandes esforços, que podem ser perigosos. Caminhar é uma ótima opção, é uma atividade leve, não oferecendo risco de machucar as juntas ou a musculatura.
     
  • Fumo - além de prejudicar todo o sistema respiratório, ele agrava as doenças do coração, porque piora a arteroesclerose, endurecendo as artérias. Isto aumenta a pressão e os ataques cardíacos. Decididamente, o fumo não é um bom negócio.Quem pára de fumar, melhora a saúde de seus pulmões, coração e artérias em geral. Estudos mostram que o índice de mortalidade por ataque cardíaco em pessoas que deixaram de fumar é bem mais baixo se comparado às que continuam fumando.
     
  • Colesterol - o colesterol é um tipo de gordura que nosso corpo precisa para funcionar normalmente, mas em excesso ele pode bloquear as artérias até que elas fiquem entupidas e provoquem problemas sérios. Na verdade, a parte "ruim" do colesterol, chamada LDL colesterol, é a que se deposita nas artérias e resulta na arteroesclerose. A parte "boa" do colesterol, chamada de HDL-colesterol, retira o colesterol do sangue, evitando o seu depósito nas artérias. O colesterol alto e a pressão alta somados são as principals causas de infarto do coração.
     
  • Estresse - a vida moderna trouxe a chamada tensão emocional "stress", que pode ser muito prejudicial para quem tem problemas de coração ou pressão alta. Procure sempre programar suas atividades, dividindo responsabilidades e reservando tempo para o lazer, convívio com os amigos e a família. Evite cigarros e bebidas alcoólicas quando estiver ansioso.
     
  • Atividade sexual - Neste caso deve-se estabelecer o limite ideal, de acordo com a orientação médica. Você, juntamente com seu parceiro, podem estabelecer um acordo e chegar ao ponto ideal, sem sacrificar a satisfação do prazer das duas partes.

Qual o fratamento para pressão alta ?

Os objetivos do tratamento da pressão alta são prolongar a vida, aumentar a qualidade de vida e evitar o comprometimento de órgãos que afetam a qualidade de vida. Nos casos de pressão arterial elevada leve, o controle de peso e a redução do consumo de sal podem ser suficientes, mas é o médico quem deve tomar essa decisão. O tratamento com medicamentos é diferente para cada pessoa, de acordo com seu quadro clínico. Há diversos tipos de medicamentos que controlam a pressão arterial através de diferentes mecanismos:

  • Diuréticos
  • Inibidores adrenérgicos (de ação central, alfa-1 bloqueadores, betabloqueadores)
  • Vasodilatadores diretos
  • Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina (ECA)
  • Antagonistas dos canais de cálcio
  • Antagonistas do receptor da angiotensina

ATENÇÃO

 
  • Diminua o sal!
  • Pratique exercícios, porém com moderação!
  • Controle a alimentação, evite comidas gordurosas, enlatados e embutidos!
  • Controle o excesso de álcool!
  • Deixe de fumar! Comece a tentar desde já!
  • Controle suas emoções, não se estresse!
  • Não pare de tomar a medicação, mesmo que você não sinta nada!
  • Acostume-se a verificar a pressão regularmente!
  • Lembre-se que a automedicação pode trazer sérios problemas a sua saúde!
  • Procure sempre um médico, ele é a melhor pessoa para esclarecer as suas dúvidas e orientá-lo.

Departamento Médico Científico

www.astamedica.com.br


IMPORTANTE

  •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
  • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
Publicado por: Dra. Shirley de Campos
versão para impressão

Desenvolvido por: Idelco Ltda.
© Copyright 2003 Dra. Shirley de Campos